A Cadeira

A Cadeira

 

Um sacerdote foi chamado pela filha de um homem que se encontrava muito enfermo.
E que necessitava de orações. Quando o sacerdote entrou no quarto, encontrou o
pobre homem na cama com a cabeça apoiada num par de almofadas.
Havia uma cadeira ao lado da cama, fato que levou o sacerdote a pensar que o
homem estava aguardando a sua chegada.
-Suponho que estava me esperando?-, perguntou-lhe.
-Não, quem é você?-, respondeu o homem enfermo.
-Sou o sacerdote que a sua filha chamou para que rezasse com você; quando entrei
e vi a cadeira vazia ao lado da sua cama, imaginei que você soubesse que eu
viria visitá-lo.
-Ah sim, a cadeira...você não se importaria de fechar a porta?
O sacerdote fechou a porta.
O homem enfermo lhe disse:
-Nunca contei isto para ninguém, mas passei toda a minha vida sem ter aprendido
a rezar.
Quando eu ia para a igreja e ouvia algo a respeito da oração, como se deve orar
e os benefícios que recebemos através dela...mesmo assim, não queria saber de
orações!
Entrava-me por um ouvido e saía por outro.
Assim sendo, não tenho idéia de como rezar. Então...Há muito tempo abandonei por
completo a devoção.
Assim eu vivia até alguns anos atrás, quando – conversando com meu melhor amigo
– ele me disse:
- José, orar é simplesmente ter uma conversa com Jesus, e isto eu sugiro que
você não deixe de fazer...Você se senta numa cadeira e
Coloca outra cadeira vazia na sua frente. Em seguida, com muita fé, você imagina
que Jesus está sentado nela, bem diante de você. Isto não se trata de
insanidade, pois ele próprio certa vez nos disse:
- “Eu estarei sempre com vocês”.

-Portanto, você deve falar com ele e escutá-lo, da mesma forma como está fazendo
comigo agora.
-Pois assim eu procedi e me adaptei à idéia. Desde então, tenho conversado com
Jesus durante umas duas horas diárias. Tenho sempre muito cuidado para que a
minha filha não me veja...pois me internaria num manicômio imediatamente.
O sacerdote sentiu uma grande emoção ao ouvir aquilo, e disse a José que era
muito bom o que vinha fazendo e que não deixasse nunca de fazê-lo.
Em seguida rezou com ele. Deu-lhe uma bênção e foi para a sua paróquia.
Dois dias mais tarde, a filha de José comunicou ao sacerdote que seu pai havia
falecido.
O sacerdote perguntou:
- Ele faleceu em paz?
- Sim, quando eu estava me preparando para sair, ele me chamou ao seu quarto.

Disse-me que me queria muito e me deu um beijo. Quando eu regressei das compras,
uma hora mais tarde, já o encontrei morto. Porém há algo de estranho em relação
à sua morte, pois aparentemente, antes de morrer, chegou perto da cadeira que
estava ao lado da cama e recostou sua cabeça nela. Foi assim que eu o encontrei.
O que será que isto poderia significar?
O sacerdote, profundamente estremecido, enxugou as lágrimas e lhe respondeu:
- Oxalá que todos pudéssemos partir dessa maneira.
É curioso como podemos enviar contos e brincadeiras através do correio
eletrônico... os quais se desfazem como poeira; porém quando se trata de
mensagens de Deus, pensamos duas vezes antes de compartilhá-los com os outros.
É curioso como a luxúria nua e crua, vulgar e obscena, viaja livremente através
do ciberespaço, porém quando se trata da palavra de Jesus, ela é suprimida das
escolas e dos locais de trabalho.

É Curioso, não é verdade?

É curioso se quando você terminar de ler esta mensagem não a enviar a muitos
dos que estão na sua lista de endereços, talvez porque você não esteja seguro
daquilo que eles pensarão a respeito. Ou...pior – daquilo que eles possam pensar
a respeito de você.
É curioso quando nos preocupamos mais em relação àquilo que as pessoas possam
pensar de nós do que em relação àquilo que Deus pode pensar de nós mesmos...!
Que você tenha um dia coroado de bênçãos junto com os seus. Ademais, convido a
você para que repita esta oração em todo o lugar e a todo o momento quando
necessitar de algo especial:
“Senhor, Esteja sempre conosco “.